sexta-feira, agosto 17, 2018
Home > Boletim > Crítica Semanal > Breaking Bad (Temp.1 Ep. 16) China Urgente: comércio externo desaba e assusta resto do mundo

Breaking Bad (Temp.1 Ep. 16) China Urgente: comércio externo desaba e assusta resto do mundo

logo-pdf

EDIÇÃO 1314; 1314  – Ano 30; 1ª 2ª Semanas de Outubro 2016.

Breaking Bad (Temp.1 Ep. 16)China Urgente: comércio externo desaba e assusta resto do mundo.  

Assiste-se atualmente a um processo de desabamento sem retorno. Mas por que, exatamente, ocorre essa falência do comércio exterior chinês? Por que o motor da sua economia está fundindo? São vários motivos. Um dos mais importantes é enunciado por conhecido corolário da sabedoria econômica: quem não tem competência não se estabelece.     JOSÉ MARTINS.                                                                                                                                                                       

Todo mundo sabe que o crescimento da economia chinesa depende fundamentalmente do seu comércio externo. Uma estreita base de crescimento. Coisa de economia atrasada. Diferentemente de outras grandes economias mundiais, a economia chinesa se apoia perigosamente em um modelo mercantilista: o superávit comercial – exportações menos importações – deve crescer a taxas crescentes para garantir gigantescas taxas de crescimento econômico. Uma aventura cronicamente inviável.

A produção dependente de uma droga de comércio. Desde Adam Smith, pelo menos, se sabe que o mercantilismo é uma grande idiotice. Crescimento sem desenvolvimento econômico. A ilusão dos tolos funcionou na China até pouco tempo atrás. Agora é exatamente essa ilusão que está desmanchando. Os dados publicados nesta semana a respeito são assustadores. Tem-se a impressão muito clara que está morrendo uma era que já dura mais de quarenta e cinco anos de alucinante globalização do capital. A China é a tradução mais marcante dessa era. Tanto o colapso da China quanto o da era destrambelhada da globalização (1980 em diante) serão as principais características do grande choque global que se aproxima.

Crescimento das Exportações da China Desabou 10% Em Setembro”. A manchete da agência estatal chinesa de notícias CaixinOnline desta quinta-feira (13) não esconde o tamanho do estrago. Detalha os dados divulgados pelo departamento do comércio chinês, que leva o pomposo nome de General Administration of Customs of the People’s Republic of China. As exportações declinaram 10% frente ao ano anterior para US$184.5 bilhões, a maior queda desde fevereiro. Foi muito pior que o declínio de 3.8% previsto pela pesquisa da Caixin entre 15 instituições financeiras.

As importações declinaram 1.9% frente ao ano anterior para US$ 142.5 bilhões, a despeito de um pico de compras de duas commodities chaves – petróleo e minério de ferro utilizado na fabricação de aço. A previsão do mercado era de aumento de 1%. Registrou-se assim um superávit comercial de US$ 41.99 bilhões em Setembro de 2016, comparado com US$ 59.60 bilhões no mesmo mês do ano anterior, contrariando estimativas anteriores do mercado de superávit de US$ 53.0 bilhões.  Foi o menor superávit desde Março 2016.

Desde 1995 a China vinha acumulando consistentes superávits comerciais. A droga estava garantida. O auge deste patológico processo ocorreu entre 2004 e 2014, quando esse superávit multiplicou-se por 10. Em 2015, como um todo, o total da corrente de comércio (exportação + importação) da China caiu 8% – com as exportações caindo 2.8% e as importações caindo devastadoramente 14.1%, devido a um yuan mais fraco e à forte queda dos preços das commodities no mercado mundial.

Considerando os nove primeiros meses de 2016, o total da corrente de comércio continuou caindo 7.8% frente ao mesmo período do ano anterior. Exportações caíram 7.5%. Importações caíram 8,2%. Assiste-se a um processo de desabamento sem retorno. Mas por que, exatamente, ocorre essa falência do comércio exterior chinês? Por que o motor da sua economia está fundindo? Em primeiro lugar, por que os preços estão em queda fulminante (deflação) no comércio internacional. Não apenas os preços das chamadas commodities– matérias primas, insumos, produtos agrícolas, etc. Os preços da manufatura global – duráveis e não duráveis – caem mais profundamente que os das commodities. O volume das exportações globais aumentam em quantidade e diminuem em valor. A moeda desaparece da circulação. Em segundo lugar, a concorrência no comércio internacional aumenta. E o atrasado modelo mercantilista chinês sente o baque. Quem não tem competência não se estabelece.   

Mas não é o aumento da concorrência ou aumento da oferta que diminui os preços no comércio internacional, é exatamente o contrário. É a diminuição dos preços (decorrente da superprodução global de valor e de mais-valia) que aumenta a concorrência entre as nações. Essa é uma importante diferença prática, mas também teórica. Observar essa diferença e refletir sobre ela ajuda muito a entender a natureza da profunda deflação que devasta a valorização do capital global no presente ciclo econômico. Lembrem-se: do mesmo modo que se passa com a etérea oferta e demanda de utilidades,  variação na quantidade de moeda, do crédito, etc. – não é a concorrência no comércio ou na produção que determina os preços no mercado, ela apenas os equaliza. Equalização dos preços e da taxa geral de lucro em patamares cada vez mais baixos, no decorrer de um ciclo econômico. O resto é especulação vulgar.

Não há política cambial, OMC, FMI e outras coisas inúteis do gênero que resolvam o problema do colapso do comércio internacional que presenciamos atualmente. As desvalorizações cambiais competitivas, por exemplo, que devem proliferar no cenário comercial nos próximos trimestres e anos, é um resultado político do processo econômico marcado pela deflação a que estamos nos referindo. A política de “arruinar o vizinho” para salvar sua própria pele (Brexit, Trump, etc.) não funciona. Nunca funcionou. Trava instantaneamente o sistema. Como mostra a história econômica do capital, tal política leva à imediata paralisia do comércio internacional e da globalização do capital. Regra geral: as guerras cambiais antecipam as guerras mundiais propriamente ditas. Resta saber criteriosamente se elas estão novamente se reencontrando neste final de ciclo. Até mais ver!

texto-meio