domingo, novembro 19, 2017
Home > Gemeinwesen > Paixão do comunismo

Paixão do comunismo

Natureza infinita, como poderei agarrá-la?
Onde estão suas tetas, fonte de toda vida […]
por quem meu coração vazio anseia. […]
O que preciso e quero é atordoar-me.
Quero a embriaguez de incomportáveis dores,
a volúpia do ódio, o arroubamento
das sumas aflições. Estou curado
das sedes do saber; de ora em diante
às dores todas escancaro est’ alma.
As sensações da espécie humana em peso,
quero-as eu dentro de mim; seus bens, seus males
mais atrozes, mais íntimos, se entranhem
aqui onde à vontade a mente minha
os abrace, os tateie; assim me torno
eu próprio a humanidade; e se ela ao cabo
perdida for, me perderei com ela. Goethe

texto-meio